O verão pelos olhos de Alexandre Herchcovitch – Casa De Criadores

O brilho do verão ganhou vida na abertura da Casa de Criadores, onde fui privilegiada em ocupar a primeira fileira e testemunhar o retorno de Alexandre Herchcovitch à direção criativa da marca Herchcovitch. O espetáculo, embalado pelas notas envolventes de Gilberto Gil, desdobrou-se nas passarelas do Centro Cultural São Paulo na manhã do dia 5/12, revelando a visão inovadora de Alexandre para a temporada de verão.

Em uma entrevista, Alexandre compartilhou sua busca por desafios, almejando explorar territórios inesperados e, sobretudo, inspirar-se no próprio verão – um cenário de praias, piscinas e férias. Essa inspiração se manifestou de forma evidente na passarela, rompendo com a tradição sombria e fetichista que caracterizava suas coleções anteriores.

Os recortes ousados apresentados nesta temporada revelaram uma abordagem única para exibir o corpo, utilizando materiais familiares dos trajes de banho, como biquínis, sungas e maiôs, em uma interpretação refinada da estética beachwear. Em um movimento ousado, Herchcovitch introduziu uma tendência de verão com toque tecnológico, apresentando um crochê simulado, confeccionado por máquinas que evocam a essência dos tênis esportivos.

No primeiro bloco, o estilista não apenas capturou a visão idílica da praia no auge do verão, mas também homenageou os trabalhadores incansáveis, os vendedores ambulantes repletos de bolsas e sacolas. Esta inclusão trouxe uma nova perspectiva ao tradicional desfile de moda, destacando a diversidade de experiências relacionadas ao verão brasileiro.

Já no segundo bloco, desvendou-se uma pesquisa meticulosa em trajes de época, exibindo excelência nos acabamentos, sobretudo nos vestidos camisola com pregas de inspiração vitoriana. Alexandre demonstrou maestria ao incorporar a alfaiataria de forma leve e adaptável ao clima tropical do Brasil.

Para alguns, o desfile pode ter sido percebido como básico e comercial, mas para mim, foi uma experiência incrível de explorar o verão através dos olhos singulares de Alexandre Herchcovitch. E vocês, qual foi a impressão que tiveram?

Beijos, Lalá!